BLOG DA FER: Por que odiar a Anitta?

Por Fernanda Silva

Antes de começar esse texto quero dizer que: EU NÃO SOU ANITTER, como são chamados os fãs da cantora. Claro, eu admiro muito o trabalho dela – que tem dado um novo patamar ao pop brasileiro nos últimos anos – assim como Nikki, Lexa, Ludmilla, Biel, Leandro Buenno, entre outros. Bom, quando a cantora surpreendeu à todos com o sucesso de seu primeiro grande hit, “Show das Poderosas”, lançado em meados de 2013, a crítica da maioria foi: “cantora de uma música só”; “já já ela some”… Sim, confesso que até eu pensei que essa alta do “pop funk” ia chegar, causar e perder força. E foi exatamente isso!

Hoje, esses mesmos artistas que eu citei logo no começo desse post, não se baseiam mais nas batidas do funk para os singles de seus cds de estreia. Eles mesclam os elementos desses gêneros, ousam até em misturar algumas coisas do rock e reggaee em suas músicas e tá aí, esse pop atual que tem feitos sucessos em nossos playlists e charts musicais. Até o sertanejo entrou na dança…

Anitta-Deixa-Ele-Sofrer

Mas enfim, a questão aqui é “por que odiar tanto a Anitta? Minha gente, vamos analisar o caso. Depois de ser comparada à Beyoncé em “Show das Poderosas” – e eu tenho certeza que “Run The World (Girls)”, foi uma inspiração pra ela – a carioca mostrou que veio para ficar com os singles “Blá Blá Blá”, “Cobertor” com o rapper Projota e “Na Batida”, destaques de seu DVD “Meu Lugar”, gravado no Rio de Janeiro.

Após uma polêmica envolvendo muita grana com sua equipe de empresariamento, Anitta pareceu se tornar mais independente e focada no que realmente queria e lançou um dos principais hits dos últimos anos no pop nacional, a faixa “Ritmo Perfeito” (uma das minhas favoritas dela). Com isso, Anitta provou que 2015 era o ano dela, que ela não ia nem ligar para o que os haters e o que a mídia sensacionalista fala dela (e falam muito, desde celulite nas pernas até supostos namorados) e emplacou nas paradas “Deixa Ele Sofrer”, o primeiro single do seu terceiro álbum.

O clipe para a faixa bateu recordes, e fez de Anitta a primeira cantora brasileira a ocupar o topo do Spotify Brasil. Eleito pela Billboard um dos álbuns mais esperados do ano, “Bang” chegou quebrando tudo, com direção criativa assinada por Giovanni Bianco – designer de Madonna, com uma música-título chiclete e que ganhou um clipe maravilhoso, um dos melhores projetos nacionais dos últimos tempos.

anitta-bang

Aí a galera resolveu odiar menos a mulher! Com mais de 20 milhões de seguidores em suas redes sociais oficias (somando apenas Facebook, Instagram, Twitter e Youtube), Anitta tem mais pessoas que te seguem pra xingar do que para elogiar. Por mais que a artista bata recordes, um atrás do outro, as pessoas ficam achando coisas para falar que ela imita outras cantoras, que ela não tem talento, blá, blá, blá… Fora a imprensa fofoqueira que a gente ama que aponta cada coisa na garota que eu fico impressionada. Ela sempre fala que não liga para isso, faz até postagens rindo dos haters, massssss até onde isso é legal, internet?

Meu povo, vamos parar e pensar: ela pode até ter um tanto pesado no mundo do funk carioca (como vemos na web em vários vídeos), mas vamos ser sinceros, ela cresceu, estudou, amadureceu e está fazendo um trabalho muito bom e trazendo muito mais reconhecimento ao pop nacional – com direito à um MTV EMA de “Melhor Artista Latina”. Você não precisa amar a Larissa ou Anitta, mas pode reconhecer que ela está de ralando pra caramba! E vamos de música com as três faixas que nós mais gostamos dela.

Então é isso… Mais amor e menos recalque, né, minha gente?!!