Netflix: Seis filmes para refletir sobre a vida!

Final de semana tá aí e para aqueles que amam uma maratona de filmes, separamos mais alguns! Dessa vez, selecionamos seis filmes para te fazer refletir e pensar na vida, literalmente. Desde aqueles tipo romântico fofo até uns bem dramáticos e tristes, para realmente pensarmos no caminho que seguimos, baseados em histórias tão marcantes – muitas aqui foram reais. Confira:

Sem Limites

O que você faria para ter uma reviravolta em sua vida? Para encontrar a forma perfeita de ter sucesso? “Sem Limites” é um filme que fará você pensar sobre o quanto vale correr atrás de uma “vida perfeita”. Sofrendo um bloqueio criativo há anos, o escritor Eddie Morra (Bradley Cooper) conhece um remédio revolucionário que faz usar 100% da capacidade de seu cérebro. Ele consegue lembrar de tudo que já leu, ouviu ou viu em toda sua vida, aprende línguas, faz cálculos, consegue ler e escrever muito rapidamente. Em pouquíssimo tempo, começa a chamar atenção de grandes empresários e encontra sua grande oportunidade de carreira. Entretanto, para que tudo isto aconteça ele precisa tomar o remédio todo dia e, em poucas semanas, ao ganhar a vida perfeita e passar viver sem limites, ele verá uma reviravolta acontecer.

Um Dia

Baseado no livro “Um dia”, de David Nicholls, esse romance dramático mostra a história de um casal que depois de um dia juntos – 15 de julho de 1988, data da formatura da faculdade, vivem uma forte amizade e demoram anos para perceber que eram perfeitos um para o outro. Vinte anos depois, eles resolvem dividir suas vidas juntos, mas o destino acaba interrompendo tudo. Com a incrível Anne Hathaway e o ator Jim Sturgess, “Um Dia” é aquela história que faz a gente pensar o quanto não damos chances para o amor.

A Teoria de Tudo

“A Teoria de Tudo” se baseia no livro de memórias “Travelling to Infinity: My Life with Stephen,” de Jane Hawking. O filme retrata o relacionamento do famoso físico Stephen Hawking (interpretado por Eddie Redmayne) com sua esposa Jane (estrelada por Felicity Jones), desafiado pela ELA, esclerose lateral amiotrófica, uma doença rara e degenerativa, que paralisa os músculos do corpo sem, no entanto, atingir as funções cerebrais, sendo uma doença que ainda não possui cura. O longa nos faz refletir sobre como reclamamos da vida e como, mesmo com limitações extremas, a vontade e a esperança de algumas pessoas são inspiradoras!

Preciosa

A gente tem que falar sobre preconceito, sobre maus tratos e violência doméstica, sim! O mundo está aí cercado por esses problemas e “Preciosa” traz justamente isso. Vivida por Gaboury Sidibe, grávida de seu próprio pai pela segunda vez, Claireece “Preciosa” Jones de 16 anos, não sabe ler nem escrever e sofre abuso constante nas mãos de sua mãe. No meio disso tudo, uma professora, tenta ajudar a garota a superar tudo isso e melhorar sua vida. Com produção de Oprah Winfrey e participações de Mariah Carrey e Lenny Kravitz, este filme é um verdadeiro tapa na cara!

Até o Último Homem

Esse é pra refletirmos sobre honra e princípios, sobre amizade e companheirismo e o quanto a lealdade se faz presente até em condições extremas de vida. Interpretado por Andrew Garfield (O Espetacular Homem Aranha), Desmond T. Doss, um médico do exército americano que, durante a Segunda Guerra Mundial, se recusa a pegar em armas. Durante a Batalha de Okinawa ele trabalha na ala médica e salva cerca de 75 homens – provando o quanto deu sua vida para um propósito.

Comer, Rezar, Amar

Esse filme é para quem quer jogar tudo pro alto e mudar de vida mas não sabe nem o por quê e nem como? “Comer, Rezar, Amar” é baseado no livro de Elizabeth Gilbert e narra a história de uma jornalista que pensava ter tudo que queria na vida: uma casa, um marido e uma carreira de sucesso. Porém recém-divorciada e de frente para um momento de mudança, ela se sente confusa sobre o que é realmente importante em sua vida. Ousando sair da sua zona de conforto, Liz embarca em uma viagem em busca de auto-descoberta que a leva à Itália, à Índia e a Bali, na Indonésia.

Faz sua maratona aí e depois nos diga o que achou, hein!