Para não se “queimar” com Maluma, Maite Perroni dá péssima resposta sobre machismo no reggaeton

A cantora perdeu uma excelente oportunidade de uma resposta a favor das mulheres e contra o discurso machista na música latina

Em recente entrevista ao programa “De Primera Mano”, do México, Maite Perroni deu uma confusa resposta à uma entrevista ao abordarem o machismo presente nas letras de raggaeton. Claramente confrontada com a misoginia existente no segmento mais popular da música latina, sendo uma das poucas mulheres de sucesso no reggaeton, a cantora desconversou e declarou que tem que haver um equilíbrio, uma vez que os homens abordam esse assunto, as mulheres surgem para trazer um outro tom ao estilo musical.

“Creio que é o momento para construir algo que seja diferente e através da música dar um toque feminino, dar o tom que nós mulheres queremos cantar e compartilhar. Creio que no final isso tudo gera um equilíbrio”, revelou a artista.

Ainda confrontada sobre uma possível parceria com Maluma, a cantora revelou que gostaria de ter esse dueto e quando questionada sobre as críticas sobre o machismo de Maluma, a Maite desconversou: “…existem pessoas que podem opinar algo negativo, também há muitas outras pessoas que escutam (Maluma) todos os dias e gostam, então, cada um, se comunica de acordo com o que quer contar e creio que é muito válido”, finalizou.

Assista:

A cantora vive seu melhor momento musical desde que deixou o extinto grupo RBD, com seu atual single “Loca”, a também atriz se converteu na mexicana mais ouvida no Spotify. Ao lado de Thalía e Shakira, conseguiu romper o preconceito no estilo popular e emplacou um hit mundialmente conhecido.

A resposta de Maite gera desconforto para as mulheres latinas, uma figura tão importante e representativa na industria musical, revelar apenas que as mulheres ajudam a gerar um equilíbrio no problema do machismo, dá um passo livre para novas músicas com teor impróprio e tão controverso.